terça-feira, 22 de maio de 2018

Espanha e França 2018
Dia 21 (22 de Maio de 2018)
(Sorinières – Saint-Nazaire)
Saímos do estacionamento e fomos à AS de Sorinières para efectuar a manutenção das águas da autocaravana e após seguimos em direcção a Saint-Nazaire, onde chegámos ao parque de estacionamento do Teatro por volta das 11,00 horas, isto após ainda termos efectuado algumas compras no Supermercado Auchan já em Saint-Nazaire.
Este parque de estacionamento é gratuito e fica mesmo ao lado da AS de autocaravanas e existe aqui uma paragem de autocarrro “navete” que é gratuita e faz o trajecto de ida e volta até ao centro da vila. Neste parque de estacionamento já se encontravam bastantes autocaravanas estacionadas, possivelmente mais do dobro das que estavam na AS que é paga, 7€ dia incluindo estacionamento, águas e luz.

Estacionamento em Saint-Nazaire

Parque de Estacionamento "du Théâtre" em Saint Nazaire

Saint-Nazaire fica localizada no estuário do rio Loire e no Oceano Atlântico é uma cidade voltada principalmente para o mar e para a indústria naval e é conhecida como a cidade de vinte praias.
Todas as praias têm uma coisa em comum pois são grandes praias arenosas com enseadas viradas a sul e algumas delas preparadas com os meios necessários para o acesso a pessoas com deficiência.
Saint-Nazaire famosa pelas suas instalações portuárias e seus estaleiros pelo que é hoje um dos seis locais do mundo capazes de construir grandes embarcações de mais de 300 metros.
É um importante centro industrial com reconhecida experiência em barcos e aviões. É o porto mais importante da costa atlântica e um destino importante para o turismo industrial e cultural
Saint-Nazaire é uma cidade muito nova, segunda metade do século XIX, pois foi quase completamente reconstruída depois de 1945, após a destruição, em mais de 85%, verificada com os bombardeamentos dos aliados com a finalidade de destruírem a base de submarinos alemã que ali se encontrava instalada.
Após o almoço fomos ao Posto de Turismo que dista cerca de 5 minutos a pé do estacionamento, e que nos forneceram informação turística bem como mapas.
Em seguida fomos na “navete” até ao centro da vila e começámos a nossa visita precisamente pelo “Hotel de Ville” que é um edifício inaugurado em 28 de Fevereiro de 1960, 17 anos após a destruição da antiga prefeitura sob as bombas da segunda guerra mundial e faz parte dos edifícios de Saint-Nazaire rotulados como “Património do século XX”.

"Hotel de Ville" em Saint-Nazaire

A “Galeria dos Franciscanos” “Galerie des Franciscains” é uma antiga capela de um mosteiro construído em 1875 e agora convertida em uma sala de exposições e concertos.
Galeria dos Franciscanos em Saint-Nazaire

Galeria dos Franciscanos em Saint Nazaire

Galeria dos Franciscanos em Saint Nazaire

O Monumento Americano” ou mais carinhosamente o “Sammy” é a escultura que se encontra na praia de Saint-Nazaire em que a mesma evoca um soldado americano, brandindo uma espada apontando para baixo como sinal de paz, no cimo de uma águia com as asas estendidas e que simboliza o compromisso dos Estados Unidas da América durante a primeira guerra mundial e ainda para recordar o seu desembarque na Europa em 1917, antes de se juntarem à frente da batalha, O porto de Saint-Nazaire abrigou o primeiro desembarque americano e até 1918 atracaram ali 858 navios com cerca de 200.000 soldados e 3 milhões de toneladas de equipamentos.
A estátua inaugurada em 27 de Junho de 1926 foi destruída durante a segunda guerra mundial pelo exército alemão para retirar o bronze e posteriormente reconstruída, de forma idêntica no ano de 1989.

Monumento o "Sammy" na praia em Saint-Nazaire

Monumento o "Sammy" na praia em Saint-Nazaire

O bairro ou quarteirão designado como “A Havana” “La Havana” é uma das poucas zonas que não foram afectadas pelos bombardeamentos dos aliados. Ali, nas ruas deste quarteirão, podemos admirar belos tesouros de construção entre a influência basca, art nouveau, neoclássica e mesmo normanda em que as casas, conforme vamos caminhando, parece que são todas mais bonitas do que as outras.

O quarteirão "La Havana" em Saint-Nazaire

O quarteirão "La Havana" em Saint-Nazaire

O “Dolmen” “Le Dolmen” é um conjunto megalítico de cerca de 6 mil anos de idade e a sua localização corresponde à antiga margem do estuário do rio Loire.

O "Dolmen" em Saint-Nazaire

A base de submarinos de Saint-Nazire foi construída com outras quatro bases para abrigar e abastecer os submarinos alemães, o chamado “U-Boote”, durante a segunda guerra mundial e durante a ocupação da França pelas tropas Alemãs.
Esta base cobre uma área aproximadamente de 39.000m2, construída em cimento armado e granito. A sua cobertura tinha oito metros de espessura, composta de quatro camadas para garantir a resistência contra um ataque inimigo. Tinha um sistema de defesa organizado no tecto da base formado por canhões de tanque, cúpulas com nichos de metralhadoras e bunkers espalhados por toda a área, equipados com metralhadoras e morteiros do tipo M19.
A finalidade desta base era de proteger os submarinos alemães, dos ataques das tropas inglesas, nas rotas e batalhas do mar Atlântico bem como a passagem pelo Canal da Mancha.

A antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

A antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

A antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

A antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

A antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

Compartimento para armazenamento das bombas na antiga
base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

A antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

Aparelho de conversão da hora solar para a hora actual
na antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

Aparelho de conversão da hora solar para a hora actual
na antiga base de submarinos alemã em Saint-Nazaire

Na Praça Marceau existe uma ponte denominada de “Ponte dos Dois Séculos” que permite o acesso directo ao terraço da base dos submarinos alemães.

"Ponte dos Dois Séculos" em Saint-Nazaire

Actualmente na antiga base submarina encontra-se instalado o “Escal’Atlantic” que é um museu que explora a histórica experiência dos transatlânticos na cidade de Saint-Nazaire.
Antes da segunda guerra mundial, Saint-Nazaire era o porto transatlântico para navios de passageiros que viajavam para Cuba, México e Panamá.
A visita deste museu permite compreender melhor a história do transporte marítimo de passageiros até aos dias de hoje. O museu inaugurado no dia 22 de Abril de 2000, conta a história dos transatlânticos, permitindo que o visitante passeie pelo interior de um “transatlântico” do passado, visitando as áreas do navio. O museu possui ainda recursos interativos e exibições multimédia bem como artefactos que foram adquiridos de vários transatlânticos, incluindo o “SS Normandie” e o “SS France”.
Ao fim do dia passeámos um pouco pelo centro de Saint-Nazaire e também na zona da praia para aproveitar o bom tempo que se faz sentir e relaxar um pouco.


Rua comercial em Saint-Nazaire

Parque para crianças na praia de Saint-Nazaire

Estacionamento e pernoita no “Parque du Théâtre” (coordenadas N 47º 16’ 41”  W -2º 12’ 14”)
Percorridos no dia 77 Kms

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Espanha e França 2018
Dia 20 (21 de Maio de 2018)
(Nantes)
A noite foi bastante sossegada e a manhã apresenta-se com nuvens e algum ar fresco.
Este dia foi destinado a conhecer Nantes, por isso fomos no Bus até à localidade de Pirmil e aí apanhámos o train, metro de superfície, para Nantes, mais precisamente a paragem em Commerce. Este percurso demorou cerca de 40 minutos.
Chegados a Nantes as nuvens práticamente tinham desaparecido e já se começava a notar o calor.
Nantes, sexta maior cidade francesa e outrora um importante porto francês, voltada para o comércio ultramarino e a indústria, modernizou-se bastante nas últimas décadas e hoje é uma cidade muito turística. È uma cidade cheia de arte, história e um rico património e com uma qualidade de vida que a coloca regularmente na lista das melhores cidades para se viver.
Nantes foi a capital da Bretanha, região da qual deixou de pertencer e no ano de 2013 foi considerada como “Capital Verde Europeia”.
Nantes, muito conhecida por ser a cidade natal do escritor Jules Verne, autor entre outras obras da “Viagem ao Centro da Terra”, “Vinte Mil Léguas Submarinas” e “A Volta ao Mundo em Oitenta Dias”. Segundo estatísticas da “Unesco”, Júlio Verne  é um dos escritores cuja obra foi mais traduzida em toda a história.
Dirigi-mo-nos ao Posto de Turismo a solicitar informações turísticas e mapas que nos permitam orientar com mais facilidade. Foi-nos referido de que os locais com mais interesse turístico se encontram devidamente assinalados e para isso Nantes possui uma linha marcada no chão, em cor verde e com a extensão de 12 Kms. O mapa que nos foi fornecido apresenta esse percurso assinalado também em cor verde bem como todas as informações dos locais a visitar.
Na foto é visível a referida linha verde à saída da porta do Posto de Turismo de Nantes.

Posto de Turismo de Nantes

A visita começou precisamente em frente ao Posto de Turismo com a visita do Castelo de Nantes.
O Castelo dos Duques da Bretanha, localizado no centro da cidade de Nantes, construído em finais do século XV por François II, último duque da Bretanha, para a sua filha Ana de Bretanha, que foi duas vezes rainha de França. Um castelo rico de oito séculos de história, que exibe de um lado as fortes muralhas de defesa e do outro lado abriga um palácio residencial com fachadas refinadas com rendas de calcário e sacadas renascentistas. Após algumas obras de restauração o monumento acolhe o museu da história da cidade de Nantes desde as suas origens até à metrópole de hoje, num total de 1.150 objectos únicos repartidos pelas suas 32 salas.
O museu tem um dispositivo multimédia o que torna a visita mais aliciante.

Castelo dos Duques da Bretanha em Nantes

Castelo dos Duques da Bretanha em Nantes

Castelo dos Duques da Bretanha em Nantes

Castelo dos Duques da Bretanha em Nantes

Castelo dos Duques da Bretanha em Nantes

Castelo dos Duques da Bretanha em Nantes

A Catedral de Nantes, sede da diocese de Nantes, Catedral de São Pedro e São Paulo “Saint Pierre et Saint Paul”, de estilo gótico e cuja construção foi iniciada em 1434. As obras prolongaram-se por um período de 457 anos, até ao ano 1891.
A fachada da catedral é emoldurada por duas torres de aspecto maciço, encimadas por um terraço superior, cada uma delas. A fachada apresenta algumas características marcantes, como a presença de um púlpito externo para orações dirigidas aos fiéis reunidos na praça.
Interiormente apresenta uma nave com umas dimensões imponentes, 103 metros de comprimento, e 37,5 metros de altura na nave principal, bem como imensos, finos, pilares, tudo em calcário branco.
Podemos ainda admirar, entre outras coisas, as estátuas reclinadas de François II da Bretanha e Margaret de Foix (pais da duquesa Ana da Bretanha).
Depois de um incêndio gigantesco e devastador no dia 28 de Janeiro de 1972, no tecto da catedral, os bombeiros conseguiram controlar o incêndio mas o trabalho de carpintaria do telhado foi amplamente afectado. Este facto está na origem da contratação de um gigantesco trabalho de restauração, que é sem dúvida o mais completo dos trabalhos de restauração dos interiores da catedral no território francês.
A catedral encontra-se classificada como Monumento Histórico.

Catedral de Nantes

Catedral de Nantes

Catedral de Nantes

Catedral de Nantes

Catedral de Nantes

Catedral de Nantes

O portão de São Pedro “Saint-Pierre” (também conhecido como portão de bastion de Saint-Pierre ou Manoir Guéguen), que era uma porta de acesso à cidade fortificada na Idade Média é de arquitectura gótica do século XV e é o melhor vestígio preservado das muralhas da cidade de Nantes.
Hoje, as paredes que cercam a porta desapareceram, dando lugar a estradas e edifícios. A cidade medieval é limitada ao actual distrito de Bouffay.

O "Portão de São Pedro" em Nantes

O "Portão de São Pedro" em Nantes

O "Portão de São Pedro" em Nantes

A “Torre da Bretanha”, “Tour Bretagne” que foi inaugurada em 18 de Novembro de 1976, é um prédio de escritórios localizado no centro da cidade de Nantes.
Com uma altura de 144 metros, é a quarta maior torre de escritórios da província, depois da torre Incity e da torre Part-Dieu, em Lyon, e da torre CMA-CGM, em Marselha. As antenas encontram-se cerca de 25 metros acima do andar superior.
A torre da Bretanha deveria representar o poder económico da cidade e ser uma de suas novas janelas.

A "Torre da Bretanha" em Nantes

A actual Basílica de São Nicolau “Saint Nicolas” de estilo neogótico, cuja data de construção varia de 1844 (lançamento da pedra fundação) e 1869 (bênção do edifício), é um marco na cidade graças à sua flecha branca que culmina a 85 metros de altura.
A igreja foi gravemente danificada durante o bombardeio aliado na segunda guerra mundial, a 16 de Setembro de 1943. Quando a guerra terminou, a reconstrução começou em 1953 e durou até 1974.
Está classificada como Monumento Histórico.

Basílica de São Nicolau em Nantes

Basílica de São Nicolau em Nantes

Basílica de São Nicolau em Nantes

Basílica de São Nicolau em Nantes

Basílica de São Nicolau em Nantes

A Praça Royale criada no século XVIII após a destruição das muralhas medievais, é o elemento central de um grupo homogéneo de prédios de arquitectura clássica ali existentes.
Dedicada desde o início ao comércio, tem valor simbólico na cidade e é um local popular de encontros artísticos, festivos e políticos. Bastante danificada durante os bombardeamentos da segunda guerra mundial, foi, após a guerra, de imediato reconstruída e posteriormente renovada para se tornar totalmente pedestre em 2011, encontrando-se pavimentada em granito. Tem uma fonte monumental do século XIX que simboliza o rio Loire e a vocação marítima de Nantes.
A estrutura em pirâmide é composta por três bacias de granito sobrepostas formando um quadrado. A cidade é representada por uma estátua em mármore branco, todos os outros são de bronze, que tem as características de uma mulher coroada segurando um tridente, Neptuno, que domina as alegorias de bronze do rio Loire dos seus quatro afluentes.

A "Praça Royale" em Nantes

A "Praça Royale" em Nantes

A "Praça Royale" em Nantes

A “Passagem Pommeraye”, inaugurada em 1843 é considerada como uma das mais belas passagens cobertas da Europa, sendo também considerada um sucesso arquitectónico e o nome homenageia quem financiou a sua construção, Louis Pommeraye. A passagem com um desnível de 9 metros, estende-se por três andares em torno de uma escadaria monumental e nas suas galerias encontram-se em funcionamento diferentes lojas comerciais, desde artigos de couro, chapéus, roupas, confeitarias, salão de chá, bijutarias, etc. Apresenta os degraus em madeira de carvalho, uma série de oito medalhões que representam notáveis da região, bustos em bronze, estátuas alegóricas ao redor da escada central, arcadas elegantes adornadas com estuques e o primeiro andar encontra-se decorado com uma varanda de ferro forjado. Esta galeria comercial é uma das atrações turísticas da cidade de Nantes.
A “Passagem Pommeraye” está classificada como Monumento Histórico.

A "Passagem Pommeraye" em Nantes

A "Passagem Pommeraye" em Nantes

A "Passagem Pommeraye" em Nantes

A "Passagem Pommeraye" em Nantes

A "Passagem Pommeraye" em Nantes

A "Passagem Pommeraye" em Nantes


A Praça Graslin, construída em 1787 é uma das principais praças da cidade de Nantes.
A praça é na maior parte pavimentada e pedestre e apresenta uma fonte que é a delícia principalmente das crianças. O monumento mais proeminente da praça é o Teatro bem como a cervejaria “A Cigarra” La Cigale”.

A "Praça Graslin" em Nantes

A "Praça Graslin" em Nantes

O Teatro construído em 1788 e que na fachada principal apresenta oito colunas coríntias encimadas por oito musas. Este é o monumento mais proeminente da Praça Graslin.

o "Teatro" em Nantes

A Cigarra “La Cigale” famosa cervejaria, que também é um restaurante, estilo “art nouveau” encontra-se na Praça Graslin e fica de frente para o Teatro. Foi inaugurada dia 1 de Abril de 1895 e combina pintura sobre madeira bem como pintura em cerâmica em tons azuis, bem como vários ornamentos decorativos nas paredes.
Encontra-se classificada como Monumento Histórico

"La Cigale" em Nantes

"La Cigale" em Nantes

No século XVIII, Nantes foi um dos mais importantes portos europeus no tráfico de escravos.
O Memorial da Abolição da Escravatura de Nantes que se localiza nas margens do rio Loire, entre as pontes de Ana de Bretanha e de Victor-Schoelcher, num grande passeio pedestre que se estende por 400 metros de comprimento.
Este memorial presta homenagem a todos aqueles que lutaram e os que ainda lutam contra todas as formas de escravidão no mundo.
Ao longo desta esplanada são distribuídas 2000 placas de vidro comemorativas que mencionam os nomes dos navios e as datas de partida dos embarques de escravos em Nantes, bem como os principais postos comerciais na África e na América que revelam a magnitude deste tráfico hediondo.
A partir da esplanada, uma grande escadaria aberta permite o acesso à passagem subterrânea com 90 metros de comprimento e com enormes placas de vidro em toda a extensão.
Vêmos a declaração Universal dos Direitos Humanos e atrás da qual aparece a palavra Liberdade “Liberté” traduzida para 47 idiomas de países afectados pelo tráfico de escravos.
Ao longo deste “caminho meditativo” vemos citações em todas as línguas, de todos os tempos e de todos os lugares que mostram a longa luta da humanidade contra a escravidão.
A visita termina com um espaço histórico, algumas chaves históricas e geográficas colocam o Tratado Atlântico no contexto.
Ao inaugurar, em 2012, este memorial único na Europa, a cidade afirma seu desejo de "guardar a memória do passado e alertar para o futuro.

Memorial da Abolição da Escravatura em Nantes

Memorial da Abolição da Escravatura em Nantes

Memorial da Abolição da Escravatura em Nantes

Memorial da Abolição da Escravatura em Nantes

Memorial da Abolição da Escravatura em Nantes

“Passagem Santa Cruz” “Passage Saint Croix” é uma passagem localizada no centro da cidade e junto da Igreja de Santa Cruz. Esta passagem de 70 metros de comprimento atravessa sucessivamente o antigo convento dos monges beneditinos, construído no século XI, e o antigo claustro da igreja, antigamente ocupado por um cemitério.
Do pátio pavimentado e coberto por um imenso telhado de vidro é possível observar o campanário da Igreja de Santa Cruz.

A"Passagem Santa Cruz" em Nantes

A Igreja de Santa Cruz “Église Saint Croix”, do século XVII de estilo gótico extravagante. O campanário, onde está o mais pesado sino da cidade com mais de oito toneladas e apresenta ainda um relógio e em cima uma espécie de lanterna decorada com anjos tocando as trombetas.

A "Igreja de Santa Cruz" em Nantes

A "Igreja de Santa Cruz" em Nantes

A "Igreja de Santa Cruz" em Nantes

Para o almoço fomos a uma loja comprar alguns alimentos que acabámos por comer num dos bancos dos jardins junto ao Castelo e aos lagos que estão ao seu redor. Estes locais de descanso, de confraternização e também para se comer alguma coisa, estavam muito frequentados pois o dia já estava óptimo, sem nuvens e com o calor a apertar.
Após o almoço seguimos para o Jardim das Plantas mas antes passámos pelo “Lugar Único” “Le Lieu Unique”.
O "Lugar Único" “Le Lieu Únique” é um centro cultural de arte atípico que foi criado em 1 de Janeiro de 2000, nas antigas instalações da fábrica de biscoitos LU, cujas iniciais são também as do centro. Encontra-se localizado à beira do canal São Félix, perto da estação ferroviária e do centro da cidade. O “Lugar Único” é um centro de exploração artística, cultural e convivialidade que mistura gêneros, culturas e audiências nos diferentes campos de arte (artes plásticas, teatro, dança, circo, música, mas também literatura, filosofia, arquitetura, artes gustativas, etc.) sendo por isso um lugar importante na vida cultural de Nantes.
Ao lado do “Lugar Único” e também nos antigos edifícios da fábrica de biscoitos LU que foram reabilitados, encontram-se uma série de serviços instalados; bar, restaurante, livraria, uma loja, uma creche e um hammam (spa e massagens orientais).

O "Lugar Único", "Le Lieu Únique" em Nantes

O "Lugar Único", "Le Lieu Únique" em Nantes

O "Lugar Único", "Le Lieu Únique" em Nantes

O Jardim das Plantas de Nantes é um jardim botânico público, com estrada gratuita e com uma área de 7,32 hectares.
Este jardim apresenta cachoeiras, áreas aquáticas, esculturas em madeira e a “Montanha” que é um monte artificial feito com os destroços resultantes da escavação do lago. Possui 11.000 espécies de árvores e flores e 800 m2 de estufas de espécies equatoriais húmidas e de climas tropicais desérticos. A árvore mais antiga do jardim é a “Magnólia de Hectot”, plantada em 1807.


O "Jardim das Plantes" em Nantes

O "Jardim das Plantas" em Nantes

O "Jardim das Plantas" em Nantes

O "Jardim das Plantas" em Nantes

Após esta visita ao Jardim das plantas optámos por passear um pouco descontraidamente por algumas ruas da cidade e posteriormente regressámos novamente a Sorinières. Claro que Nantes ainda tem muito para ver como a Ilha de Nantes e as máquinas da ilha, museu Julio Verne, Trentemoult (pequena aldeia de pescadores), etc.




Nas visitas a fazer tem de se ter em conta que ao Domingo e Segunda-Feira muitas lojas, centros comerciais e locais de interesse turístico encontram-se fechados, o que,  muitas vezes condiciona as visitas.
Estacionamento e pernoita num parque junto à Igreja de Sorinières (coordenadas N 47º 08’ 54.7”  W 01º 36’ 46.5”