terça-feira, 12 de junho de 2018

Espanha e França 2018
Dia 42 (12 de Junho de 2018)
(Coquelles – Calais - Bergues)
A noite foi muito ventosa e o céu apresenta-se totalmente nublado e está frio.
Neste parque de estacionamento destinado às autocaravanas, pernoitaram cerca de 30 autocaravanas.
Após o pequeno-almoço saímos com destino a Calais onde chegámos por volta das 9,00 horas.
Em Calais estacionei numa avenida à entrada para o porto e como estava próximo do Parque de Campismo Municipal Le Grand Gravelot, fui solicitar umas informações e amavelmente forneceram um mapa e algumas informações turísticas.
Este parque de campismo tem uma AS para as autocaravanas ao lado do parque e os valores ali praticados são de 10 € por um período de 24 horas e 2 € por 100 litros de água. Os despejos de águas sujas e cassete são gratuitos e abertos a qualquer autocaravanista que queira utilizar.
Calais é uma cidade localizada no norte da França, no “Estreito de Dover”, no ponto mais estreito do “Canal da Mancha” com apenas 34 kms de largura, no departamento de “Pas-de-Calais, da região administrativa de ”Altos da França”, “Hauts-de-France” e é a cidade francesa mais próxima de Inglaterra.
A região “Altos de França” faz fronteira com a Bélgica no nordeste, Canal da Mancha no noroeste com as regiões francesas de “Grande Leste” no sudeste, “Ilha de França” no sul e “Normandia” no sudoeste.
A cidade de Calais sempre foi um ponto estratégico militar muito importante e é considerado o primeiro porto de passageiros da França pelo que a vida desta cidade gira em torno do seu porto.
Durante a Segunda Guerra Mundial, a cidade de Calais foi um objectivo chave das tropas alemãs, pois estas em Maio de 1940, nos dias 22 a 27, sitiaram a cidade, naquele que é conhecido como “O Cerco de Calais” e, após intensos combates, a guarnição militar Aliada de Calais ficou sem munições e rendeu-se à 10ª Divisão Panzer das tropas alemãs.
Mais de 3.500 soldados britânicos e franceses foram capturados mas a sua brava resistência serviu para manter a 10ª Divisão Panzer das tropas alemãs afastada de Dunquerque o que foi crucial para a evacuação das tropas aliadas naquela que é conhecida como a “Operação Dynamo”.
Os alemães consideravam que a zona de “Pas-de-Calais” seria a zona de desembarque inicial mais provável na ofensiva desencadeada pelas tropas Aliadas, pelo que esta zona foi mais fortemente fortificada e concentrava também um número muito grande de tropas alemãs.
Antes dos desembarques do “Dia D”, os Aliados criaram várias operações falsas de modo a criar uma estratégia destinada a enganar as tropas alemãs quanto à data e a localização dos principais desembarques dos Aliados. Por isso Calais foi fortemente bombardeada pelas tropas Aliadas de modo a interromper as comunicações alemãs e persuadi-los de que os Aliados atacariam em “Pas-de-Calais” para o início da invasão  ao invés da Normandia como efectivamente aconteceu.
Todos estes bombardeamentos arrasaram a cidade de Calais, pelo que praticamente foi preciso reerguer a cidade a partir das suas ruínas.
A cidade apresenta uma estrutura muito peculiar pois os canais dividem-na em duas partes: a parte velha da cidade, chamada de “Calais-Nord” que se encontra situada em uma ilha artificial rodeada por canais e portos, e a nova cidade que é chamada de “Calais-Zud”, sendo precisamente aqui que se encontram localizadas as principais ruas comerciais.
Calais perpetua a tradição da “renda de Calais” com a criação de vestidos e lingerie e com peças notáveis de coleção e criações de alta-costura.
Apenas como curiosidade referir que o vestido de noiva de Kate Middleton foi feito precisamente com essa renda.
“A Cidade Internacional da Renda e Moda” é um museu dedicado principalmente à história do laço tecido em metais mecânicos.
Depois de estacionados percorremos a pé este trajecto, de cerca de 25 minutos, até ao centro da cidade, mais precisamente até à Praça de Armas “Place D’Armes” que é uma das maiores praças da cidade de Calais e que durante os tempos medievais foi o coração da cidade.
A Torre de Vigia de Calais, “La Tour du Guet de Calais”, ou como é designada de “A Sentinela de Calais”, encontra-se localizada em Calais-Nord, na “Place D’Armes, é um dos poucos edifícios remanescentes da pré-guerra e é o monumento mais antigo de Calais. A sua origem remonta ao século XIII, onde foi o sistema defensivo de Calais fortificada, com o papel de vigiar e prevenir perigos.
Com os seus 35 metros de altura, esta torre era o centro de um castelo medieval.
Esta torre abrigou vigias até ao ano de 1905, os quais, em tempos de guerra, supervisionavam as costas e o movimento das tropas.
Esta torre serviu que resistiu às bombas que a cidade de Calais sofreu durante a segunda  guerra mundial, foi usada como um posto militar, torre de observação e vigia, farol e também como suporte para um telégrafo óptico.
Por questões de segurança não é possível visitar a torre.
A Torre de Vigia de Calais, “La Tour du Guet de Calais”, ou como é designada de “A Sentinela de Calais”, encontra-se classificada como Monumento Histórico.

A "Torre de vigia de Calais", "Tour du Guet de Calais", em Calais,
França

Continuámos a nossa visita até ao edifício da Câmara Municipal, “Hotel de Ville” que se encontra localizada no coração da cidade de Calais. Esta construção de estilo neo-flamengo, com um campanário de 75 metros de altura, foi iniciada no ano de 1912 e simboliza a união entre duas cidades, Calais e Saint-Pierre.
Todas as fachadas e telhados da rua e do campanário, a sala de honra e seu dossel, a escadaria principal, o corredor de serviço do primeiro andar, as salas cerimoniais com decoração do primeiro andar que são o salão de festas, o salão de honra, o sala de estar do conselho municipal e o gabinete de estado, encontram-se classificadas como Monumentos Históricos.
O Campanário encontra-se classificado como Património Mundial da Unesco.

"Hotel de Ville" de Calais, França

Em frente ao edifício da Câmara Municipal, “Hotel de Ville” encontra-se a escultura em bonze de os “Burgueses de Calais”, “Les Bourgeois de Calais”. A escultura evoca uma ocorrência durante a “Guerra dos Cem Anos”, quando Calais, um importante porto francês no “Canal da Mancha” ficou sob cerco dos ingleses. A história narra o patriotismo e a coragem de seis dos seus mais ilustres cidadãos da cidade de Calais, que se ofereceram voluntariamente como reféns ao rei Eduardo III de Inglaterra, para que levantasse o cerco da cidade e salvasse assim as populações que se encontravam já famintas.
Esta é uma das mais famosas esculturas de “Auguste Rodin” em que ele pretende retratar as expressões dolorosas dos rostos destes mártires quando abandonavam a Praça do Mercado a caminho da execução.

Escultura de Auguste Rodin, "Os Burgueses de Calais" e ao fundo
o "Hotel de Ville" de Calais, França

Em seguida passámos pelo Parque Saint-Pierre que foi inaugurado em 1863. Este parque com as suas árvores centenárias e áreas de lazer para crianças, também tem sido utilizado como palco de diversas actividades, festivais, concertos, corridas de bicicletas, etc.. Ao centro uma bacia com uma fonte em bronze, “Fonte das Três Graças”, que é uma réplica de uma bacia de Versalhes.



Fonte "Das Três Graças" no Parque Saint Pierre, em Calais, França

Fonte "Das Três Graças" no Parque Saint Pierre
em Calais, França

O “Teatro de Calais “ construído em 1903 e inaugurado em 1905, encontra-se localizado na Praça Albert I, num terreno que era o antigo cemitério de Saint-Pierre. Na sua fachada, no primeiro andar encontram-se estátuas que representam os temas de artes cénicas de Poesia, Comédia, Dança e Música. No segundo andar quatro bustos perpetuam a memória do compositor Pierre-Alexandre Monsigny e dos dramaturgos Alain-René Lesage, Guillaume Pigault-Lebrun e Pierre de Belloy.
Quando abriu, o teatro continha 1390 lugares divididos em quatro galerias. Tem 52 metros de comprimento e 27 metros de largura.


O "Teatro de Calais" em Calais, França

O "Teatro de Calais" em Calais, França
A Igreja de Notre-Dame de Calais construída em finais do século XIII, com elementos da arquitectura flamenga, gótica, anglo-normanda e tudoriana é uma igreja consagrada a Nossa Senhora.
A igreja tem sido visitada por muitos governantes mas as três cerimónias que marcaram a sua história mais recente são certamente os funerais nacionais das vítimas do submarino “Pluviôse” em 1910, o casamento do General Charles de Gaulle e Sua esposa Yvonne Vendroux em 1921 e a coroação do Monsenhos Evrard, bispo de Meaux em 1937.
Não foi possível visitar a igreja dado estar fechada.

A Igreja de "Notre-Dame se Calais" em Calais, França

Continuámos a nossa visita passeando descontraidamente pelas ruas da cidade de Calais.


"Citerne Royale" em Calais, França







Posto de Turismo de Calais, França

Estátua do "General Charles de Gaulle" e sua esposa
"Yvonne Venfroux" em Calais, França

Estátua do "General Charles de Gaulle" e de
"Winston Churchill" no jardim Richelieu em Calais, França



Após o almoço fomos novamente ao Parque de Campismo Le Grand Gravelot para fazer a manutenção das águas da autocaravana (2€) e após saímos com destino a Bergues onde chegámos por volta das 15 horas.
Em Bergues estacionámos no parque destinado às autocaravanas, parque gratuito, e no qual já se encontravam 8 autocaravanas.

Parque de estacionamento destinado às autocaravanas em Bergues,
França

Bergues é uma pequena vila fortificada cercada por muralhas e canais e encontra-se situada na planície flamenga, a 9 kms das praias arenosas de Dunkerque-Malo-les-Bains e a 15 kms da fronteira da Bélgica, no departamento “Nord” da região administrativa de “Altos de França”.
As muralhas, com cerca de 5.300 metros de comprimento encontram-se bem conservadas na sua quase totalidade. Estas muralhas apresentam ainda 5 portas / portões de acesso: A “porta Bierne”; a “porta de Cassel”; o “portão Dunquerque; a “porta de Hondschoote” e a “porta para as Bolas”.

Muralhas na vila fortificada de Bergues, França

Muralhas na vila fortificada de Bergues, França

Muralhas na vila fortificada de Bergues, França

"Torre de Couleuvriniers" nas muralhas da vila fortificada de
Bergues, França


"Porta de Hondschoote" nas muralhas de vila fortificada de
Bergues, França

"Porta de Cassel" nas muralhas da vila fortificada
de Bergues, França

Bergues havia sido devastada pelos bombardeamentos na “Primeira Guerra Mundial” e, também na “Segunda Guerra Mundial”, em 1940, durante a “Batalha de Dunquerque” foi novamente devastada em cerca de 80%.
A vila de Bergues ficou mundialmente conhecida por ter sido cenário do filme francês “Bienvenue chez les Ch’tis”. Este filme que bateu recordes de bilheteira em França, é referido como tendo sido o início e principal motivador do desencadeamento do chamado “boom” do turismo nessa vila.
A vila de Bergues encontra-se classificada na listagem das aldeias de carácter de França e faz também parte do percurso das “Estradas das Vilas Fortificadas” de França.
Depois de instalados fomos ao Posto de Turismo solicitar mapas e informações turísticas. Nesta viagem foi apenas aqui em Bergues que no Posto de Turismo solicitaram o pagamento pelo mapa turístico, preço simbólico de 0,50 €.
O mapa turístico de Bergues apresenta um percurso pormenorizado de 3 Kms e com uma duração de 1,30 horas.
O Posto de Turismo encontra-se localizado no edifício do campanário que é precisamente o edifício mais imponente da vila.
O campanário de Bergues, do século XIII que foi novamente reconstruído no ano de 1961, já que havia sido parcialmente destruído durante a Segunda Guerra Mundial, tem 47 metros de altura e apresenta um carrilhão com 50 sinos.
Ao longo dos séculos o campanário teve diferentes funções, desde “Portão da Vila”; como “Sentinela”, pois dois vigias moravam no telhado e tinham como função observar e vigiar a vila e seus arredores de possíveis inimigos e incêndios e finalmente também ali funcionou a “Prefeitura”. Actualmente apenas mantém a função de torre de sinos.
O campanário de Bergues encontra-se classificado como Património Mundial da Unesco.
Não foi possível aceder ao campanário já que o mesmo se encontrava em obras de manutenção, quer interiormente quer exteriormente.

Vista do edifício "Campanário" em Bergues, França

Em frente do campanário mas do lado oposto da praça encontra-se o edifício da “Câmara Municipal de Bergues”, “L’Hôtel de Ville de Bergues”. Este edifício de estilo flamengo renascentista e também com influências egípcias apresenta as suas fachadas ornamentadas com obeliscos e arabescos. Este edifício tem como particularidade a sua cor em tons de cinza azulado (pedra azul de “Soignies” e pedra cinza de “Marquise”), já que a cor predominante da vila é a cor amarela.
Outra particularidade interessante é que este edifício ficava localizado à esquerda da praça, na rua de “L’Hôtel-de-Ville” e no século XIX decidiram movê-lo, desmontando pedra a pedra e colocando-o de frente para o campanário, no local onde hoje se encontra. Infelizmente com estas obras a edifício perdeu a sua parte gótica, mantendo apenas a sua parte flamenga.

"L'Hôtel de Ville" em Bergues, França

Continuámos a nossa visita até à “Igreja de São Martinho”, “Église Saint Martin”, do século X. Esta igreja faz parte do grupo de igrejas góticas de tijolos no norte de França, característico da arquitectura flamenga. Esta igreja durante os tempos sofreu várias devastações (Guerra das Religiões e bombardeamentos e incêndios durante a Segunda Guerra Mundial) e reconstruções, mas finalmente foi totalmente reconstruída no ano de 1959.


"Igreja de São Martinho" em Bergues, França

Nave e altar-mor da "Igreja de São Martinho" em Bergues, França

Altar-mor da "Igreja de Dão Martinho" em Bergues, França

Pia baptismal da "Igreja de São Martinho" em
Bergues, França

A "Virgem Negra" na Igreja da "São Martinho"
em Bergues, França

No interior da igreja encontra-se uma exposição sobre a história da igreja a sua destruição e reconstrução.
A Igreja encontra-se classificada como Monumento Histórico.
O “Mont de Piete” é uma antiga casa de penhores construída entre 1629 e 1633, de estilo barroco flamengo, em tijolo rectangular elegantemente adornado com janelas encimadas por arcos.
Este edifício encontra-se classificado como Monumento Histórico.
Nesta antiga casa de penhores, “Mont de Piete” encontra-se instalado o Museu de Bergues, denominado Museu de França e o qual apresenta ricas colecções de pinturas e desenhos do século XVI ao século XIX, bem como uma colecção de história natural.
Não foi possível visitar o museu dado o mesmo se encontrar fechado.

Vista do edifício "Mont de Piete" em Bergues, França

Vista do edifício "Mont de Piete" em Bergues, França

A “Torre Quadrada” e a “Torre Pontiaguda” são os únicos vestígios da Abadia Beneditina de “Saint- Winoc”, de estilo gótico do século XI. Esta Abadia ao longo dos séculos foi muito fustigada por guerras, incêndios e inclusive foi saqueada. Durante a Revolução Francesa as tropas expulsaram os monges e os bens da Abadia foram dispersos por várias localidades. Da rica biblioteca ali existente com cerca de 60.000 volumes, muitos foram perdidos e os livros mais belos foram reservados para as bibliotecas comunitárias de Bergues, Dunquerque, Bourbourg e Gravelines. As pinturas foram espalhadas pelos museus e igrejas próximas, mas muitos obras de arte desapareceram.
A “Torre Quadrada” encontra-se classificada como Monumento Histórico.

A "Torre Quadrada" e a "Torre Pontiaguda" da Abadia Beneditina
de "Saint-Winoc" em Bergues, França

A "Torre Quadrada" da Abadia Beneditina de "Saint-Winoc"
em Bergues, França

A "Torre Pontiaguda" da Abadia Beneditina de
"Saint-Winoc" em Bergues, França

A “Porta de Marbre”, “Porte de Marbre” é a antiga porta de entrada para a “Abadia de Saint-Winoc”, destruída em 1789.

A "Porta de Marbre" vendo-se ao fundo a "Torre
Quadrada" e a "Torre Pontiaguda" da Abadia Beneditina
de "Saint-Winoc" em Bergues, França

A vila de Bergues apresenta um património muito rico, muitas casas antigas com belas fachadas ou frontões, muito bem conservadas.
Bergues com a sua diversidade, o seu charme e o ambiente criado pelos seus canais é também referenciada como “os outros Bruges na Flandres”.













Estacionamento e pernoita num parque de estacionamento destinado ás autocaravanas, (coordenadas N 50º 57’ 56”  E 02º 26’ 09”)
Percurso de Coqueles a Calais, 6 Kms
Percurso de Calais a Bergues, 55 Kms
Percorridos no dia 61 Kms